segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Chegança – patrimônio da cultura potiguar


O segundo grupo folclórico selecionado pela Lei do Patrimônio Vivo, do Governo Estadual, é a Chegança de Barra de Cunhaú, município de Canguaretama.

A Chegança é um auto dramatizado que simula lutas entre mouros e cristãos pela posse da península ibérica. O enredo é ordenado em uma seqüência de cantigas náuticas de origem portuguesa, chamada de jornadas, em que dançam, declamam e encenam as lutas. O grupo se apresenta junto a uma barca, tendo como acompanhamento instrumentos de percussão, tarol, caixa e bombo.

A brincadeira faz parte do ciclo natalino. Uma apresentação de Chegança é composta por 40 pessoas, que se apresentam vestidos de fardas da marinha mercante brasileira. Entre seus personagens estão, entre outros, o ração, os gajeiros, o embaixador e o rei mouro.

Nas ultimas décadas a Chegança vem sendo conduzida pelo pescador Waldemir Marques dos Santos, de 73 anos de idade, morador da comunidade de Barra de Cunha.


A fotografia é do pesquisador Ricardo Canella.

Nenhum comentário:

Postar um comentário