quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Periferia, margens, bordas?

O termo “cultura das bordas” foi utilizado por Jerusa Pires Ferreira ao analisar a obra do escritor paulista Rubens Luchetti. A autora fala de cultura das bordas e não das margens, para não trazer a noção pejorativa ou mesmo reversora de marginal ou de alternativa. Referem-se ao mundo da produção cultural, projetos de criação e conhecimento que inclui a lógica e a visão de mundo de um determinado grupo social onde o produtor está inserido. Como ela explica: com “bordas” quero enfatizar a exclusão do centro, aquilo que fica numa faixa de transição entre uns e outros, entre as culturas tradicionais reconhecidas como folclore e a daqueles que detêm maior atualização e prestígio, uma produção que se dirige, por exemplo, a grupos populares de vários tipos, inclusive aqueles das periferias urbanas.

3 comentários:

  1. Novos conceitos... A realidade assim exige. Muito bom, pois os conceitos, mal cuidados, ajudam a manter os afastamentos. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Nivaldete: que bom saber sua opinião, fico feliz. Abraço, Luiz.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do conceito. Pra quem vive nas bordas, o caminho é sempre mais diverso, mais rico. Por isso novos conceitos surgem, desviam-nos da banalização!

    Adorei as imagens por aqui. Vi até uma fotografia dos Negros do Riacho aqui de Currais Novos.

    Voltarei mais vezes.

    Abraços!

    Iara Carvalho

    ResponderExcluir