sábado, 19 de setembro de 2009

Poesia


Kelson Oliveira, meu orientando no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais-UFRN, cearense, morador no vale do Jaguaribe – Limoeiro do Norte – escreveu um livro composto de nuvens e sonhos, como ele expressou no exemplar que me ofereceu, alimentado pelo cotidiano da cidade e das histórias que sua avó materna contava, para tornar-se um aprendiz de fraseador, e descobrir “quando as letras têm a cor do sonho”.


Na ponte velha


Quando uma grande laranja incandescente escorria pra dentro do mar,

meus olhos não pertenciam à outra coisa

Eu não sabia que no céu, bem sobre mim,

as nuvens desenhavam seu nome

Porque naquela época

eu também ainda não sabia

que as nuvens desenhavam nossos sonhos


Nenhum comentário:

Postar um comentário