terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Os Exus em casa de catiço


Catiço é um termo usado restritamente entre os religiosos. Denomina o cachimbo ou a fumaça. Catiço também adquire conotação negativa, sinônimo de esquerda. Tomo esse termo no sentido atribuído à expressão religiosa sem conotação negativa, encarando-o como sinônimo de Jurema. Casa de Catiço como local onde se cultua o catiço, onde se cultua a Jurema, pois o instrumento de trabalho do juremeiro ou catimbozeiro é o catiço, é o cachimbo, utilizado na prestação de serviços e na defesa (Marcos Queiroz).

Já cheguei meu ponto afirmei
Sete cachimbo acendi de uma vez
Eu já te mandei pra lá
Vai fumaça pra onde eu mandar
Minha pisada é uma só
É na base do catimbó


Os Exus em casa de catiço tem como objetivo compreender como as representações dos exus são construídas e estabelecidas em um contexto marcado pelo culto à Jurema que, por sua vez, influencia a construção mítica dos exus. Assim, à medida que estuda as representações sobre os exus, realiza uma reflexão sobre o encontro entre duas noções de mundo distintas (Umbanda e Jurema), definidoras no entendimento da posição que as entidades exus ocupam no sistema umbandista local.

A busca para a compreensão sobre os exus foi sistematizada através da apreensão das narrativas míticas presentes nas músicas, nos discursos dos sujeitos e no desempenho das entidades espirituais incorporadas, como carregadas de códigos passíveis de leitura e dotadas de valores.

O campo constituído enquanto pesquisa é composto por três Centros Espíritas de Umbanda, situados em diferentes bairros da cidade do Natal/RN:

1. Centro Espírita Oxum Opará
Bairro Potengi
Sacerdotisa: Mãe Leó (Maria Leopoldina Cavalcante Oliveira)

2. Centro Espírita Ogum-Beira Mar
Loteamento Nordelândia – Bairro de Lagoa Azul
Sacerdote: Pai Itamar (Itamar Pereira de Lima)

3. Centro Espírita Xangô Mafilomã
Bairro das Quintas
Sacerdotisa: Mãe Maria (Maria do Carmo de Medeiros)

Para além de explorar as diferenças existentes entre uma casa e outra, destaca o que é próprio de cada casa, posicionando os sujeitos através de suas referências pessoais. O intuito foi perceber que nas afirmações, algo de comum transpassa as idéias formuladas, demonstrando o caráter local e o compartilhar social de um complexo de informações e referencias que expressam desejos, valores, noções e representações coletivas.

A pesquisa realizada no período de 2006 a 2008 privilegia a observação etnográfica e as narrativas, propiciando à experimentação de modelos discursivos de diálogos e polifonia. Como afirma o pesquisador: “foram nesses lugares que teci minhas teias, construí as minhas relações, onde vi olhares distantes e desconfiados se desmancharem em sorrisos e cobranças afetuosas: pensei que você tivesse esquecido da gente!”.

Fonte: A dissertação está disponível em pdf:
http://bdtd.bczm.ufrn.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2332

2 comentários:

  1. Prof. Luiz Assunção,

    Tive acesso à dissertação através do link que o sr. disponibilizou. Fiquei impressionado com a qualidade do material, devo utilizá-lo nos próximos cursos sobre Exú que ministro em nossa tenda. Parabéns ao Marcos Alexandre pelo excelente trabalho em "Os Exus em Casa de Catiço". Como diriam os "compadres": Este moço tem talento!
    Obrigado Prof. pela dica, forte abraço!

    Evandro de Ogum

    ResponderExcluir
  2. adoro a umbanda e todas as religioes da africa e que fale sobre macuba sou de uma grande familha so de catinbozeiros por isso que não vou ser diferente dos meu familiares.
    sarava o povo da rua

    ResponderExcluir