sábado, 26 de fevereiro de 2011

As Mães de Chico Xavier

Começa a ser divulgado mais um filme centrado na trajetória de vida espiritual de Chico Xavier. Estou me referindo ao “As Mães de Chico Xavier”. Vejam o trailer:

http://cinema.uol.com.br/ultnot/multi/2011/02/07/04021A356ED4811327.jhtm?trailer-do-filme-as-mes-de-chico-xavier-04021A356ED4811327

Vejam mais sobre o filme:

http://asmaesdechico.blogspot.com/

ESTRÉIA NACIONAL – 01 de abril de 2011

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Sertão Verde


Vejam o sertão que vi por esses dias. Sertão com chuva. Sertão verde.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Pai Francelino de Shapanan. Uma homenagem.

O INTECAB - SÃO PAULO, Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira, divulgou carta em que reverencia a memória de Pai Francelino de Shapanan e pede que em cada espaço religioso se faça uma homenagem a este importante religioso.

Em 2005 tive a honra e o prazer de conhecer Pai Francelino. A seu convite fui a Diadema-SP para participar de um encontro com religiosos. Apesar do pouco tempo que estive com ele, pude perceber alguns aspectos, como a clareza tão forte com que defendia sua crença e suas posições políticas, que nunca esqueci, marcando-me profundamente.

A seguir, apresento trechos da carta do INTECAB-SP.

Nunca traí minha FÉ e nem minha opção RELIGIOSA. Pai Francelino de Shapanan


PREZADOS SACERDOTES E SACERDOTISAS, SENHORES E SENHORAS POVO DAS COMUNIDADES TRADICIONAIS DE TERREIRO DO CAN-DOMBLÉ E DA UMBANDA DO BRASIL E DO MUNDO.

Solicita que façam em seus Ilês, Templos, Abassas, Inzos, Casas, Terreiros, Comunidades Tradicionais, Associações, Centro Culturais entre tantos e tantas outras denominações religiosas.

Referências: com orações, cânticos, rezas, orikis, falas, cantigas, danças, depoimentos, homenagens referente a esta data: 18 DE FEVEREIRO DE 2006.

Data de sua volta ao Orun (céu).
Estamos falando do sr. FRANCELINO VASCONCELOS FERREIRA, TOY VODUNNON FRANCELINO DE SHAPANAN, Pai Francelino de Shapanan, como era carinhosamente conhecido, ícone, paraense, nossa personalidade, pai de muitos filhos de filhas de santo, grande referência dentro das Tradições Jeje/Nagô no Tambor de Mina, em São Paulo.

Presidia religiosamente CASAS DAS MINAS THOYA JARINA em DIADEMA, SP, bem como foi presidente da FUCABRAD/ABCD, do Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira - INTECAB/SP, defendendo um diálogo Inter–religioso com o lema “UNIÃO NA DIVERDIDADE”, apontando caminhos para necessidade de Núcleos e Seminários nas Comunidades de Terreiro da umbanda e candomblé.

Sempre se preocupou em trazer nomes de grandes expressões acadêmicas e religiosas para dentro do Instituto para que os mesmos ajudassem, contribuíssem e participasse das dificuldades e história de cada um, ainda mais em nossas questões de desrespeito religioso.

NUNCA IREMOS NOS ESQUECER:
De suas políticas para os avanços do Povo do santo; suas colocações, entrevistas, depoimentos, diálogos, participações em programas televisivos e radiofônicos, suas desmistificações em torno da Religiosidade com bastante firmeza e franqueza colocando sempre a verdade acima de tudo, desmistificado o que pertence ou não a nossa cultura religiosa, trazendo sempre o histórico e a cultura de outras tradições religiosas de matriz africana existentes no continente africano para o Brasil.

Sempre acompanhado com um pequeno grupo de conselheiros (as) que sempre fizeram juntos à diferença. Contando com o apoio dos seus mais velhos de idade de santo. Tudo isto a nível nacional e até internacional em suas visitas também de Portugal ao continente africano.

Algumas de suas ações - “O QUE É BOM E DEU CERTO TEM QUE SER COPIADO” (Pai Francelino de Shapanan):

- O primeiro embargo do livro escrito pelo Pastor Edir Macedo (Anjos, Santos, Deuses e Demônios). Intecab/SP e Fucabrad/ABCD-SP em Brasília;

- I Caminhada do Povo do santo na av. Paulista contra a Intolerância Religiosa do Brasil;

- Contra a TV Record, TV Gazeta e TV Mulher.

- A primeira reunião composição com Sacerdotes, Sacerdotisas e Seppir;

- Audiência no Ministério Público Federal com ganho de causa s/Intolerância;

- Abertura de Toques e cânticos de outras Tradições religiosas nas Casas das Minas de Thoya Jarina, Intecab/SP em espaços públicos diferenciados;

- Congressos temáticos de Umbanda e Candomblé local regional ABCD/SP;

- Construção do Forum Inter-religioso da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo;

- Homenagens a Sacerdotes e Sacerdotisas com trabalhos sociais expressivos na Câmara do ABCD/SP;

- Lançamento do DVD e Cartilha s/Intolerância Religiosa no Teatro Tuca da PUC/SP, com representantes de várias Tradições religiosas e segmentos religiosos;

- Construção e membro do Conselho Religioso dentro do Conselho de Partici-pação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de São Paulo;

- I Caminhada no Brasil contra a Intolerância Religiosa contra a TV Record, TV Mulher e TV Gazeta;

- Participação I Mapeamento de São Paulo pela Fundação Cultural Palmares;

- OAB/SP participação da Comissão Inter-religiosa;

- Presidente de Conselho Religioso e de Ética de Federações;

- Parcerias com Secretaria Municipal de Saúde de SP;

- Participação e ajuda na construção da Faculdade de Teologia Umbandista;

- Participação em missas inter-religiosas realizadas pela Casa da Reconciliação e a Igreja Catedral da Sé;

Pai Francelino de Shapanan. SUAS FALAS, PALAVRAS, GESTOS E SABEDORIAS:

- Reuniões itinerantes do Instituto (integrar a Comunidade religiosa do Ilê para que conheça nossas ações e nossos trabalhos sem ser somente nosso culto);

- Nem muito humilde e nem muito vaidoso.

- Diálogos inter religiosos para fortalecimento da cultura afro;

- Não aponte que o outro não representa e não faz. O mesmo dedo que você direciona ao outro, ele direcionará também a você;

- Intolerância também está entre o Povo do santo? Somos Intolerantes entre nós;

- Católicos, budistas, islâmicos, espíritas, mulçumanos, kardecistas, devemos mostrar, dialogar, palestrar, referente nossa religião para desmitificar o que é falado de nossa cultura religiosa;

- Devemos estar com nossos paramentos tomando ônibus, van, metrô, trem, avião, navio, é a nossa identidade;

- Temos que saber lidar e conviver com opções sexuais diferentes das nossas;

- Fios de contas, colares, paramentos, indumentárias, vestes de africanas e baianas e troca de bênçãos em locais públicos e religiosos são os nossos lemas;

- Nunca traí minha FÉ e nem minha opção RELIGIOSA;

- Como se apresentar ao Presidente da República, Senador, Ministro, Embaixador, Governador, Prefeito, Deputado, Vereador entre outras autoridades em nome de nossa religião sem estarmos adequadamente vestidos, e sem estarmos paramentados com nossa identidade falando em nome de nossos Sagrados e de nossas reivindicações em nome de nossa Comunidade de Terreiro;

- Apoiar sempre candidatos e candidatas com propostas para Religiões Afro, mas dialogue, debata, não veja somente o partido político, tenha amizade com todos e todas, dentro de seu Ilê as pessoas tem que ter liberdade de escolha, a sua é sua escolha de seus filhos você pode informar mas não mandar.

- Nunca se esquecer de convidar autoridades do Poder Público para nossas festas; temos que receber sempre bem, com ética, educação, causar boa impressão para nossos convidados e convidadas e contar nossa história religiosa nos eventos como forma de depoimento não impondo e não nos achando os melhores, em nossas casas, ilês, templos, abassas, inzos, terreiros etc.

SE VOCES QUEREM SEREM LEMBRADOS E REFERENCIADOS TAMBÉM REVERENCIE E PARTICIPE DOS EVENTOS E FESTAS RELIGIOSAS DE OUTRAS PESSOAS.

QUEM NÃO É VISTO! NÃO PODERÁ SER LEMBRADO.

PALAVRAS DO SR FRANCELINO VASCONCELOS FERREIRA NOSSO QUERIDO TOY VODUNNON FRANCELINO DE SHAPANAN. SAUDADES MUITAS SAUDADES.

Carinho e axé,
Egbonmy Conceição Reis de Ógùn
Coordenadora INTECAB – SP
Babalorixá Rosevaldo de Oxumarê
Vice-coordenador
F: (11) 3492-5801 e 8527-4852
E-mail: m.cazemiro@uol.com.br e correionago@hotmail.com

INTECAB - SÃO PAULO - Instituto Nacional da Tradição E Cultura Afro-Brasileira “União na Diversidade” RUA Heliodora, 371 – Santana – (0xx11) 3492-5801 Celular 8527-4852 Cep 02022-051 – São Paulo

sábado, 19 de fevereiro de 2011

2011 – Ano Internacional dos Afrodescendentes

“Vamos todos intensificar os nossos esforços para assegurar que os povos afrodescendentes possam gozar de todos os seus direitos”, afirmou Ban Ki-moon, secretário-geral das Nações Unidas, no lançamento oficial do Ano Internacional dos Afrodescendentes - 2011.

Homenagear os povos de origem africana foi uma iniciativa da Assembleia-Geral da ONU, em reconhecimento da necessidade de se combater o racismo e as desigualdades econômicas e sociais.

Os afrodescendentes estão entre as comunidades "mais afetadas pelo racismo" e "enfrentam demasiadas vezes restrição de acesso a serviços básicos, como saúde e educação de qualidade", afirmou o secretário-geral da ONU. "A comunidade internacional não pode aceitar que comunidades inteiras sejam marginalizadas por causa da sua cor de pele", afirmou.

Ban lembrou ainda das metas de integração e promoção da equidade racial estabelecidas pelos países-membros da ONU na Conferência de Durban, em 2001. O compromisso foi reiterado no ano passado, na Conferência de Revisão de Durban, realizada entre 20 e 24 de abril de 2009 em Genebra (Suíça).

Mais da metade de população brasileira tem ascendência africana. Segundo dados do IBGE de 2009, 51,1% dos brasileiros se reconhecem como "pretos" ou "pardos". Com a segunda maior população negra do planeta (e primeira fora do continente africano), a missão do Brasil na ONU congratulou a celebração do Ano Internacional dos Afrodescendentes, como “uma ocasião para chamar atenção para as persistentes desigualdades que ainda afetam esta parte importante da população brasileira”.

Fonte: Portal Geledés


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Os contos da noite


Como o tema da tolerância/intolerância religiosa foi abordado em vários dos últimos posts, quero destacar que neste domingo, dia 13, a programação do 61º Festival de Cinema de Berlim foi aberta com o filme Os contos da noite, animação de Michel Ocelot. O desenho em 3D do diretor francês viaja a outras culturas e usa técnica de silhuetas e o resultado são histórias encantadoras, que tratam de temas como tolerância e importância do caráter. A animação é linda, colorida e provavelmente vai agradar a crianças e adultos.

Cinema

O filme Tropa de Elite 2, de José Padilha, vai ser exibido na mostra Panorama do 61º Festival de Cinema de Berlim, que começou 10/02. A mostra reunirá 50 trabalhos de países da Ásia, Américas e Europa. "Tropa de Elite 2" é o único brasileiro a participar do festival em 2011.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Intolerância religiosa – caso Yalorixá Jane de Yemanjá

Conforme estava programado aconteceu à primeira audiência sobre o caso da Yalorixá Jane de Yemanjá, que sofreu agressão verbal, física e moral, conforme notícia divulgada anteriormente neste Blog (11/02).

A Yá Jane de Yemanjá exige pedido formal de desculpas e uma ação comunitária como pagamento.

A Rede Mandacaru – RN fez o levantamento de outros casos de intolerância religiosa no RN:


Caso Mãe Lindalva – fato ocorrido na cidade de Parnamirim;

Caso Yá Rosa de Onira – São Gonçalo do Amarante;

Caso Babá Aderbal e Yá Cremilda de Oxum – fato acontecido na cidade de Macaíba;

Caso Mãe Selma – comunidade da África, Natal;

Caso Tatá Dedé de Macambira – Macaíba;

Caso Mãe Luzi – comunidade Potengi, Natal;


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Salve o mestre da casa

Neste sábado estive no Centro de Umbanda Mestre José da Pinga, localizado no bairro do Parque dos Coqueiros a convite de sua dirigente sacerdotisa Yá Terezinha de Oyá (Terezinha Rosendo Inácio). Naquela noite a celebração foi em homenagem ao mestre da casa.

Salve o mestre da casa

Marcelo de Oxalá


Salve o mestre da casa


Festa para o mestre José da Pinga

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Intolerância religiosa

A Rede Mandacaru – RN divulgou caso de intolerância religiosa, ocorrido esta semana, na cidade de Natal-RN. Trata-se da agressão verbal, física e moral de que foi vítima a Yalorixá Jane de Yemanjá (Maria Janeildes dos S. Silva), sacerdotisa da nação Jeje, residente no bairro de Nova Descoberta.

Quando caminhava por uma das ruas do bairro, Mãe Jane foi abordada por um senhor, portando uma bíblia, que ao anunciar “ser a palavra de Deus”, agrediu-a, jogando o livro sobre seu corpo, cabeça e rosto, gritando para todos que “vou mandar o diabo de volta para o inferno”.

Após a interferência de algumas pessoas que passavam pelo local, Mãe Jane procurou a delegacia de plantão, fazendo o registro em boletim de ocorrência (BO) na Delegacia do Bairro de Lagoa Nova – 5ª DP.

Intolerância religiosa

Em recente ato religioso que participei tive a oportunidade de pronunciar algumas palavras. Falei da importância de aprofundar o conhecimento da casa e de assumir a religião. Não esconder as contas ou qualquer outra marca que o sujeito carrega no seu corpo, em si. Penso que a cada dia se faz necessário a aproximação dos religiosos em torno de objetivos comuns e o assumir publicamente a sua opção na relação com o sagrado. Penso também que é fundamental a discussão sobre como se deve dar esse ato de assumir e o que ele significa.


Na ocasião, um dos sacerdotes presentes observou que concordava com minhas palavras, mas ressaltava que a tarefa de assumir-se não era fácil, ela tinha conseqüências. Todo o povo do santo sabe disso, porque é vivida no cotidiano, seja no entorno do ilê, terreiro (na vizinhança, na rua), seja no trabalho, nas repartições e locais públicos.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Sakineh

Segundo relato divulgado recentemente pela imprensa, o Irã suspendeu a pena de enforcamento contra Sakineh Mohammadi Ashtiani, acusada de adultério e homicídio, cujo caso provocou uma mobilização global.

Sakineh foi inicialmente condenada a apedrejamento pelo crime de adultério, mas a sentença foi suspensa devido à repercussão internacional - no entanto, ainda não anulada. Ela continuava sob ameaça de morte por enforcamento, por ter sido considerada cúmplice no assassinato do marido.

Em carta à presidente brasileira, Dilma Rousseff, a deputada Zohre Elahian, presidente da Comissão de Direitos Humanos do Parlamento do Irã, disse que a pena de enforcamento também foi suspensa, devido a apelos dos filhos de Sakineh.

Sakineh foi condenada a dez anos de prisão. Ela foi presa em 2006.

A Anistia Internacional diz que o Irã é o segundo país que mais usa a pena de morte no mundo, atrás apenas da China. Em 2008, pelo menos 346 réus foram executados. As autoridades iranianas rejeitam as acusações de abusos aos direitos humanos, e alegam estar seguindo a lei islâmica.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Encontro Estadual Mulheres de Axé

A Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde está programando para os dias 21 e 22 de fevereiro de 2011, no município do Rio de Janeiro, o I Encontro Estadual Mulheres de Axé do Rio de Janeiro, com o objetivo de contribuir para qualificar o ativismo das mulheres de terreiro, fortalecer e ampliar a participação das mulheres nos espaços de defesa dos direitos humanos e do controle social de políticas públicas.

O evento conta com o apoio da Secretaria Estadual de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro.

Vejam o Blog - http://mulheresaxe.blogspot.com

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

QUEM É DE AxÉ, DIZ QUE É


Maria Helena Varela Lima

Mãe Helena, 69 anos, nasceu no dia 21 de maio de 1941 na cidade de Ceará Mirim-RN. Na juventude, acompanhando seus pais, foi morar em São Paulo, onde viveu durante cinco anos. De lá veio para Natal e nesta cidade casou, formou família. Ainda jovem, com a idade de 14 anos, foi levada por sua mãe para um centro espírita, iniciando sua participação numa mesa kardecista. Descobriu que seu caminho seria outro, uma vez que tinha uma cabocla como guia. Assim, passou a freqüentar o terreiro de Umbanda de dona Angelina, na Cidade da Esperança (Natal).

Depois de certo tempo procurou Pai Nino, um senhor pernambucano bastante conhecido na época, que possuía uma casa de candomblé, linha nagô. Com ele desenvolveu o orixá, fez bori e lavagem de cabeça. Com o falecimento de Pai Nino, ficou na casa de Mãe Nem (Maria da Glória), fazendo obrigação e saída para Oyá.

Na Jurema foi consagrada por Babá Marcelo de Obaluaiyê para a cabocla Iara e para o mestre Manoel da Moenda (Pé de Garrafa). Há quase uma década frequenta o Ilê Ilé Ifé Axé Òbáluàiyé, casa de candomblé na linha kéto, localizada no município de Extremoz-RN e dirigida por Babá Marcelo de Obaluaiyê, responsável também por suas obrigações para Oyá.

No Ilê Ilé Ifé Axé Òbáluàiyé Mãe Helena assume o cargo de Iá Morô.

Iá Morô é o cargo de adjunta da Ialorixá, nos serviços religiosos. É quem leva para fora a água no padê de Exu. Iyá – mãe; Moró – apelativo de uma das famílias de Ministro, no palácio de Oyó.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Centro Caboclo Aracati

O Centro Caboclo Aracati, fundado por seu Geraldo Guedes, e atualmente sob a responsabilidade de seu filho Cleone Guedes, realizou neste domingo toque de Jurema, iniciando o calendário religioso para 2011. O toque de abertura foi especial, uma vez que se celebrava a consagração na Jurema de um médium da casa, o assentamento do caboclo de um dos ogãs e festejava-se o mestre de outro médium.

Centro Caboclo Aracati


Centro Caboclo Aracati


sábado, 5 de fevereiro de 2011

Atenção: Governo Federal busca parcerias com evangélicos e católicos

O Governo Federal começa a intermediar junto a entidades religiosas, para incluir em seu plano de erradicação da miséria igrejas que tem grande lastro social. Esta tática está sendo chamada de Parcerias-público-religiosas. A intenção do governo é canalizar o trabalho assistencial realizado por igrejas de diferentes religiões para ampliar a rede de proteção social. A partir deste mês, representantes devem iniciar uma série de reuniões para trabalhar em prol do plano de erradicação da pobreza, mas com representantes evangélicos e católicos.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Rita Amaral

Pesquisadora e orientadora do Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo, doutora em Antropologia Social pela USP e pós-doutorada em Etnologia Afro-Brasileira pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, Rita Amaral estudou festas, estilos de vida, religiões de influência africana e fez parte da equipe de pesquisa de Reginaldo Prandi, que estudou pela primeira vez o candomblé de São Paulo.

Publicou livros e diversos artigos sobre o tema das religiões afro-brasileiras. Entre os seus livros estão: Festa à brasileira e Xirê! O modo de crer e de viver no candomblé, no qual desvenda a importância das festas no contexto do candomblé, como forma agregadora de valores à sociedade e preservadora da tradição religiosa.

Não conhecia Rita pessoalmente, mas sempre mantínhamos contatos por e-mail, conversávamos sobre a temática afro-brasileira e ela sempre atendia meus pedidos com muita atenção e carinho. É com pesar que informo o falecimento da antropóloga Rita Amaral, paulistana, que no próximo dia 18 faria 53 anos de idade.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

02 de fevereiro - Salvador faz festa para Iemanjá

Dia dois de fevereiro

Dia de festa no mar

Eu quero ser o primeiro

Pra salvar Iemanjá


Eu mandei um bilhete pra ela

Pedindo para ela me ajudar

Ela então me respondeu

Que eu tivesse paciência de esperar

O presente que eu mandei pra ela

De cravos e rosas vingou


Chegou, chegou, chegou

Afinal, que o dia dela chegou


“Dois de fevereiro” (Dorival Caymmi)

02 de fevereiro - Salvador faz festa para Iemanjá

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Apóie o Egito

Manifestantes egípcios corajosos irão determinar o que irá prevalecer no Egito e região: a tirania ou a democracia. Eles apelaram para a solidariedade internacional – vamos demonstrar um apoio massivo e pedir para os nossos governos apoiarem eles também:

Milhões de egípcios corajosos estão enfrentando uma escolha crítica. Milhares foram presos, feridos e mortos nos últimos dias. Mas se eles insistirem em se manifestar de forma pacífica, eles poderão acabar com décadas de tirania.

Os manifestantes apelaram para a solidariedade internacional, mas a ditadura sabe que a união faz a força em um momento como este, portanto eles estão desesperadamente tentando isolar os egípcios do resto do mundo e desunir a população completamente, bloqueando a internet e telefones celulares.

Redes via satélite e rádio ainda podem driblar o apagão do regime - vamos inundar estes canais de comunicação com um chamado de solidariedade para mostrar aos egípcios que estamos com eles, e que nós exigiremos um posicionamento dos nossos governos para apoiá-los também. A situação está por um fio - cada hora conta - clique abaixo para assinar a mensagem de solidariedade e depois encaminhe este email para seus amigos e redes:


https://secure.avaaz.org/po/democracy_for_egypt/?vl

Fonte: Avaaz.org - The World in Action