segunda-feira, 30 de abril de 2012

Homenagens ao centenário de Luiz Gonzaga


 
Uma série de atividades está sendo programada em todo o país para celebrar o centenário de nascimento do cantor e compositor Luiz Gonzaga

Nascido no sertão de Pernambuco, na Fazenda Caiçara, povoado do Araripe a 12 km da cidade de Exu, em 13 de dezembro de 1912, Luiz Gonzaga influenciou o som realizado em todo Brasil. Na Bahia, em particular, lembra Bené Fonteles, “a presença de Luiz Gonzaga é primordial na obra compositiva de artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé e na força das vozes de Gal Costa, Xangai e Maria Bethânia”. 

Esta semana, em Salvador, no Palacete das Artes foi aberta a exposição “O imaginário do Rei”, com obras de arte, fotos, filmes, livros e CDs que retomam a vida e obra de Gonzagão, como o músico era conhecido.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Fim à escravidão no Brasil

http://www.avaaz.org/po/stop_slavery_in_brazil/?copy

Sistemas de cotas raciais para as universidades

O Supremo Tribunal Federal aprovou a constitucionalidade do sistema de cotas raciais adotado pelas universidades públicas brasileiras. O julgamento teve como resultado a conclusão unânime dos ministros quanto à improcedência da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 186, proposto pelo Partido Democratas (DEM).

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Novelas brasileiras passam imagem de país branco, critica escritora moçambicana


Durante a realização do Seminário A Literatura Africana Contemporânea, que integra a programação da 1ª Bienal do Livro e da Leitura, em Brasília (DF), a escritora moçambicana Paulina Chiziane chamou atenção aos efeitos da presença, em Moçambique, de igrejas e templos brasileiros e de produtos culturais como as telenovelas que transmitem, na opinião dela, uma falsa imagem do país.

“Para nós, moçambicanos, a imagem do Brasil é a de um país branco ou, no máximo, mestiço. O único negro brasileiro bem-sucedido que reconhecemos como tal é o Pelé. Nas telenovelas, que são as responsáveis por definir a imagem que temos do Brasil, só vemos negros como carregadores ou como empregados domésticos. No topo [da representação social] estão os brancos. Esta é a imagem que o Brasil está vendendo ao mundo”, criticou a autora, destacando que essas representações contribuem para perpetuar as desigualdades raciais e sociais existentes em seu país.

A presença de igrejas brasileiras em território moçambicano também tem impactos negativos na cultura do país, na avaliação da escritora. “Quando uma ou várias igrejas chegam e nos dizem que nossa maneira de crer não é correta, que a melhor crença é a que elas trazem, isso significa destruir uma identidade cultural. Não há o respeito às crenças locais. Na cultura africana, um curandeiro é não apenas o médico tradicional, mas também o detentor de parte da história e da cultura popular”, destacou Paulina, criticando os governos dos dois países que permitem a intervenção dessas instituições.

Durante a bienal, foi relançado o livro Niketche, uma história de poligamia, de autoria da escritora moçambicana.

Fonte: Famailá

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Itacoatiara


Itacoatiara, uma revista online de cultura, é uma publicação do Núcleo Ariano Suassuna de Estudos Brasileiros, da UFPE. Seu mais recente número, que vale a pena conhecer e ler, está publicado no endereço:

sexta-feira, 13 de abril de 2012

URGENTE - Ajude a garantir os direitos das Comunidades Quilombolas no Brasil


Na próxima semana será votada uma ação que terá um enorme impacto na luta por direitos em nosso país. Precisamos da ajuda de todas e todos. Mobilizem-se,divulguem esta mensagem e, como organizações, assinem a petição abaixo.

Há oito anos, o partido Democratas (DEM), moveu uma ação contra as comunidades quilombolas, ao alegar que o Decreto Federal 4887/2003, assinado pelo ex-presidente Lula, que regulamentou o processo de titulação das terras dos remanescentes das comunidades de quilombos, era inconstitucional. Hoje, juntamente com a bancada ruralista, o partido pretende a qualquer custo aprovar a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI 3239, que será votada no próximo dia 18 de abril no Superior Tribunal Federal. 

Se for aprovada, será um enorme retrocesso para a luta das mais de 5 mil comunidades quilombolas no Brasil

Precisamos reagir e mostrar ao governo federal e à presidenta Dilma Rousseff essa grande violação dos direitos adquiridos historicamente! Organizações e comunidades dos quatro cantos do país estão se mobilizando para fazer uma grande ação que reunirá mais de mil quilombolas de 14 estados e do Distrito Federal e contará ainda com a participação de povos indígenas na próxima semana em Brasília. 

O processo de julgamento da ADI 3239 no Supremo Tribunal Federal faz parte de um pacote de ações dos ruralistas que caminham contra a luta histórica das comunidades quilombolas e dos povos indígenas que mais sofreram – e ainda sofrem – em nosso país. Já assistimos a algumas derrotas com o Código Florestal e a PEC 215 no Congresso, não podemos mais retroceder nessa luta! Organizações, movimentos e sociedade civil precisam se unir e combater essa violação de direitos. 

Precisamos mobilizar organizações e pessoas e pautar essa votação em todos os lugares. Há diversas formas de ajudar: mobilizando e compartilhando esta mensagem para todos os seus contatos, demandando das representações políticas uma posição sobre o caso e pressionando o Governo Brasileiro a agir em prol da defesa de direitos. 

Queremos reunir o maior número possível de assinaturas de organizações da sociedade civil, ONGs, associações, sindicatos, igrejas e instituições filantrópicas e sociais que apoiam a luta por direitos no Brasil. Assine a petição e divulgue entre seus parceiros (atenção: a petição deverá ser assinada apenas por organizações, não indivíduos).


O documento com as assinaturas será entregue pelas comunidades quilombolas a representantes do Governo e do Supremo Tribunal Federal até a sexta, 20 de abril. 
Para mais informações: 
Associação de Moradores Quilombolas de Santana 


 

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Decreto 4.887/2003 – Constitucionalidade da Regulamentação Quilombola


O Decreto 4.887/2003 regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes de quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (Constituição Federal de 1988). É a base para que uma parcela importante da população negra do Brasil, marcada pela vulnerabilidade nos mais diversos aspectos, tenha acesso aos direitos que fundamentam o principal previsto pela Constituição: o direito à vida e à existência digna.

O Partido Democratas (DEM) questiona a inexistência de uma lei com a finalidade do que cumpre o Decreto 4.887/2003. Assim, o referido Decreto terá sua constitucionalidade julgada pelo Supremo Tribunal Federal no próximo dia 18 de abril.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Mapeamento e Memória dos Circos


O Núcleo de Artes Circenses da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) disponibilizou três vídeos que mostram trechos das viagens realizadas pelo estado, na realização do projeto Mapeamento e Memória dos Circos, trabalho de pesquisa que vem sendo realizado com os circenses desde 2007. O objetivo é levantar as demandas existentes para o planejamento e a continuidade de políticas públicas específicas voltadas a este setor. Até agora, o mapeamento contabilizou 56 companhias, sendo 82% de circos itinerantes, 30% de pequeno porte e 52% de médio porte. 

Os vídeos podem ser acessados no site www.fundacaocultural.ba.gov.br.