segunda-feira, 30 de julho de 2012

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Divulgando o mapeamento dos terreiros

Estamos divulgando a criação do site do mapeamento dos terreiros de Natal. Ontém a noite estive na casa de Pai Marcone (Loteamento José Sarney) e depois ele nos levou a um terreiro localizado na África, bairro da Redinha. Estas visitas são para explicar o objetivo da criação do site e o procedimento de participação. 

Estou disponível para os contatos e visitas. É só entrar em contato. Isto pode ser feito via site do mapeamento. Clique no link "contato" (está na parte superior da página principal). Em seguida vai abrir uma janela para voce colocar suas informações. Posteriormente entro em contato.

Ajude a divulgar o site. PARTICIPE!
DIVULGUE o site em suas redes sociais.

domingo, 22 de julho de 2012

Festa no Candomblé Oxum Maré Ilê Axé








Sábado, 21 de julho. Noite de festa no Candomblé Oxum Maré Ilê Axé, quando se comemorava a consagração de pai Sílvio, na Jurema. Durante a semana que antecedeu, Pai Jeová (Jeová Brasil), responsável pelo Ilê telefonou-me informando e convidando-me para a solenidade. O convite foi propício, pois algum tempo não tinha oportunidade de ir na casa de Jeová. Na noite do sábado, conforme combinado, por volta das 20 horas lá chegava e de longe a iluminação da rua, em frene ao Ilê, chamou-me atenção. Além das muitas luzes, a casa estava toda iluminada, destacando a beleza do espaço religioso e ressaltando uma placa contendo em letras garrafais o nome do estabelecimento. Identificar o templo religioso não é uma prática comum na cidade de Natal, fruto de anos de hostilidade e perseguição. Não que estes tipos de ações tenham acabado ou diminuido, mas no contexto atual de afirmação da cultura afro-brasileira ela adquire outras formas de existência.  
Segui direto para o interior da casa, para o salão principal, onde estava iniciando a mesa de Jurema para consagração e apresentação do recente juremeiro da cidade. O salão estava repleto e observei que nos primeiros minutos não parou de chegar grupos ou pessoas individuais. Entre os presentes, além dos seguidores da casa de Jeová e do próprio Pai Sílvio, outros pais de santo (com seu grupo), amigos, convidados (como políticos em campanha).
A solenidade seguiu conforme manda a tradição, acompanhada de música, dança e a alegria-prazer para estabelecer contato com as entidades espirituais. O momento esperado da gira e das apresentações dos “mestres” – encantados, que continuam encantando a todos nessas noites da cidade, foi bela e contagiante, não apenas por ver o mestre vestido, mas por estar ao seu lado, compartilhar, conversar com ele.
A minha grande surpresa da noite foi poder reencontrar dona Marlene, viúva de Babá Karol, falecido a três anos. É bom lembrar que Karol fez história na cidade de Natal, imprimindo uma tradição da Jurema que perpassa por grande parte dos terreiros da cidade. Dona Marlene vem participando das atividades religiosas na casa de Jeová e contou-me do desejo de realizar um toque no salão onde Karol foi mestre absoluto.                

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Mapeamento dos terreiros de Natal

Estamos lançando, em caráter experimental, o site do "Mapeamento dos terreiros de Natal", com o apoio do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFRN. Nesta fase inicial pretendemos avaliar sua operacionalização, como fazer ajustes em sua dinâmica. 

O site vai existir a partir dos dados fornecidos pelos próprios terreiros. Para isso, é necessário que o interessado faça um contato, via e-mail, direto do próprio site (item contato).    

Ainda nesta fase experimental, pretendemos participar de encontros com as comunidades de terreiros e demais interessados das diferentes localidades da cidade com o objetivo de informar sobre a proposta do site. A partir dos interesses vamos montando uma agenda de visita aos terreiros.

Visitem o site:
http://www.cchla.ufrn.br/mapeamentodosterreirosdenatal
 
PARTICIPE! COLABORE COM A SUA EXISTÊNCIA. 
   



quinta-feira, 19 de julho de 2012

Evangélicos tentam invadir terreiro em Olinda


Centenas de evangélicos com faixas e gritando palavras de ordem realizam protesto em frente a um terreiro de matriz africana e afro-brasileira – candomblé, umbanda e jurema. As imagens poderiam ser de um filme sobre a Idade Média. No entanto, foram registradas no domingo, no Varadouro, em Olinda, Grande Recife. As cenas de intolerância religiosa circularam ontem nas redes sociais e provocaram a revolta de milhares de internautas.

Com a repercussão nas redes sociais – o vídeo teve mais de 1,5 mil compartilhamentos no Facebook e cerca de 400 visualizações no YouTube em menos de 12 horas – representantes de dezenas de terreiros se reuniram, ontem à tarde, no Palácio de Iemanjá, no Alto da Sé, em Olinda.

No encontro foram discutidas propostas para coibir a intolerância religiosa. Entre elas a de ser registrado um boletim de ocorrência coletivo para denunciar o fato ocorrido no Varadouro.

O terreiro alvo dos ataques é o de Pai Jairo de Iemanjá Sabá, na Rua Manuel Souza Lopes. Vizinhos repudiaram o protesto. “Moro aqui desde criança e o pessoal do terreiro nunca trouxe problema. Sou católica, mas respeito as outras religiões. O que fizeram foi um absurdo. Por pouco não invadiram o espaço”, disse a dona de casa Cintia Gomes, 25 anos.

O secretário-executivo de Promoção da Igualdade Étnico-Racial do Estado, Jorge Arruda, lamentou o fato em Olinda e afirmou que os ataques têm relação com o caso de Brejo da Madre de Deus. A igreja responsável pelo protesto não foi identificada.

Hoje haverá reunião entre representantes do Ministério Público, da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e de terreiros. Também será lançada a cartilha Diversidade Religiosa e Direitos Humanos e debatida a intolerância contra as religiões de matriz africana e afro-brasileira em Pernambuco.

Fonte: Jornal do Commercio, 18/07/2012.

terça-feira, 17 de julho de 2012

De volta


Depois de uns dias ausentes estou de volta. Neste tempo estive na capital paulista participando da Reunião Brasileira de Antropologia, evento que reuniu pesquisadores para discutir questões relacionadas às temáticas das culturas e sociedades contemporâneas.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Em dez anos, população que se autodeclara negra aumenta

Embora a população que se autodeclara branca ainda seja maioria no Brasil, o número de pessoas que se classificam como pardas ou pretas cresceu, enquanto o número de brancos caiu. É o que mostra um novo volume do Censo Demográfico de 2010, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgado nesta sexta-feira (29). 

O Brasil tem 91 milhões de habitantes brancos e 97 milhões de habitantes pretos e pardos; em 10 anos, a proporção de pretos subiu de 6,2% para 7,6% (15 milhões) e a de pardos cresceu de 38,5%, no Censo de 2000, para 43,1% (82 milhões de pessoas) em 2010. 

Enquanto mais da metade da população (53,7%) se autodeclarava branca na pesquisa feita dez anos antes, em 2010 esse percentual caiu para 47,7% (91 milhões de brasileiros). 

POPULAÇÃO BRASILEIRA:
91 milhões de brancos
82 milhões de pardos
15 milhões de pretos
2 milhões de amarelos
817 mil indígenas




domingo, 1 de julho de 2012

Música africana contemporânea

Existe um processo musical em ebulição no continente africano que engloba uma pluralidade de sons, ritmos, instrumentos, fundindo a música tradicional com rock e blues. Esta cena contemporânea inclui a denominada “world music”, que já circula pelo mundo ocidental em festivais ou intercâmbios culturais e, principalmente àquela que circula pelas diferentes mídeas.   
Vale a pena conferir na internet o som de alguns deles. A seguir, minhas sugestões:  
Asa (Nigéria). Filha de nigerianos a cantora Asa nasceu em Paris e foi criada em Lagos. Seu som trafega entre o trip hop, o soul e o jazz, tocados com uma ginga africana, com algumas letras em iorubá. Em novembro de 2011 postei neste Blog uma matéria sobre a cantora.
Fatoumata Diawara. Nascida no Mali, a cantora e atriz mescla a música tradicional de seu país com referências de jazz e soul.
Nneka. A cantora nigeriana, que vive atualmente na Alemanha, já foi comparada a Lauryn Hill por sua mistura de hip-hop, soul e jazz, em músicas que tratam de temas políticos.  
Amadou e Mariam (Mali). O casal faz um afro-blues utilizando instrumentos musicais do Mali. Já fizeram turnês com as bandas U2 e Coldplay.
Mulatu Astatke (Etiópia). Consagrado como o criador do jazz etíope.
Angélique Kidjó (Benim). Vai do jazz ao reggae, passando pelos ritmos latinos. Vencedora do Grammy de World Music em 2008.
www. kidjo.com;

Toumani Diabaté (Mali). Considerado pela crítica como um dos artistas mais importantes da música contemporânea. Gravou com Arnaldo Antunes e Edgar Scandurra.
Oumou Sangaré (Mali). Uma das herdeiras musicais da sul-africana Miriam Makeba, é uma das mais famosas interpretes do wassoulou, estilo tradicional do oeste africano.
Aicha Koné (Costa do Marfim). A cantora mescla influências de intérpretes como Aretha Franklin e Miriam Makeba, em músicas que flertam com soul e ritmos tradicionais.



Fatoumata Diawara - Bissa (OFFICIAL VIDEO)