sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Contribuições aos estudos sobre religiões afro-brasileiras


O recente livro publicado pela Editora da UFRN - “Em casa de catiço: etnografia dos exus na Jurema” completa uma lista de três importantes estudos realizados em contexto acadêmico, sob minha orientação, tendo como temática o culto da Jurema e o universo das religiões afro-brasileiras. 

Em casa de catiço, o autor Marcos Queiroz, realiza uma etnografia sobre o complexo mundo dos exus e suas relações com a jurema. O estudo realizado a partir de pesquisa e trabalho de campo em três terreiros localizados na cidade de Natal, faz ainda uma detalhada revisão bibliográfica e incorpora com densidade e rigor a compreensão dos pais e mães-de-santo sobre a prática religiosa e as entidades objeto do estudo. O estudo recebeu o Prêmio de Monografias sobre o tema cultura afro-brasileira do Ministério da Cultura.  

Os trabalho de amor e outras mandingas, de Kelson Oliveira, trata das experiências mágico-religiosas vividas por diferentes sujeitos adeptos e frequentadores que se movem pelo conjunto de quatro terreiros de umbanda da cidade de Limoeiro do Norte, Ceará. Ao explorar a noção de trabalho e a experiência que envolve os sujeitos durante o processo de busca por respostas às questões que se colocam em suas trajetórias, o autor apresenta o complexo e dinâmico universo religioso da umbanda e suas interfaces com outras práticas religiosas, como a jurema no interior cearense. O trabalho recebeu o Prêmio do Governo do Estado do Ceará pela temática de estudos da cultura.   

À sombra da jurema encantada, de Sandro Guimarães de Salles, procura compreender o encontro entre a tradição dos mestres juremeiros e a umbanda, tendo como campo de estudo o cenário religioso de Alhandra, Paraíba. O trabalho traz significativas contribuições sobre o legado indígena, o clã do Acais e suas interfaces com o universo mítico e simbólico ali constituído.  

O tema da jurema não é o único elemento que aproxima esses estudos. Em comum eles também possuem a escolha por explorar questões pouco refletidas nos estudos das religiões afro-brasileiras, a detalhada pesquisa, o envolvimento com o campo (os terreiros), o respeito pelos diferentes sujeitos, sua efetiva presença no texto construído e uma análise feita com densidade. 

Os trabalhos foram apresentados originalmente como dissertação de mestrado na UFRN e tiveram como avaliadores as professoras doutoras Maria Helena Villas Boas Concone (PUC-SP), Patrícia Birman (UERJ), Mundicarmo Ferretti (UFMA) e Eliane Tânia de Freitas (UFRN).


 
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário