quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

ENCANTARIAS






Lançamento do Documentário “Encantarias” e do livro de fotografias “Expressões de Fé”.

Dia: 26/02,  18:30 h

Local: Teatro de Cultura Popular (Fundação José Augusto)

Av. Jundiaí, 641, bairro do Tirol - Natal – RN.

O documentário “Encantarias", dirigido por Rodrigo Sena e Júlio Castro, aborda as manifestações religiosas ligadas ao candomblé, umbanda e jurema. O trabalho tem como objetivo desmistificar as expressões documentadas a partir do ponto de vista de religiosos sobre sua vivência espiritual. Para tanto, foram visitadas doze terreiros localizados na região metropolitana de Natal, incluindo jurema, umbanda e candomblé.

Na ocasião, será lançado também o livro "Expressões de Fé", do fotógrafo e documentarista Alexandre Santos, que apresentará também uma exposição com fotografias que compõem a obra.

Os projetos foram beneficiados pelo edital de Festividades e Expressões Religiosas 2014 da Prefeitura do Natal, através da Fundação Capitania das Artes.

Entrada Gratuita.

Ciganos Calon no Vale do Mamanguape



As crianças Calon: uma etnografia sobre a concepção de infância entre ciganos no Vale do Mamanguape-PB.

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Paraíba-UFPB pela aluna Edilma do Nascimento Jacinto Monteiro sob a orientação da professora Dra. Patrícia Goldfarb. 

Resumo da dissertação: Este trabalho objetiva interpretar os ciclos de vida dos ciganos Calon e a concepção de infância no grupo residente no Vale do Mamanguape, no litoral norte da Paraíba. Trata-se de um estudo de caso, realizado por meio de uma pesquisa etnográfica feita durante quinze meses. A análise também aborda os fluxos presentes na “Rua dos ciganos”, no município de Mamanguape-PB, onde o campo de pesquisa se desenvolveu. A metodologia utilizada tem por base a etnografia, além de uma pesquisa bibliográfica sobre antropologia da criança, etnicidade e grupos ciganos. Foi realizada uma observação participante conjuntamente a algumas técnicas da antropologia da criança (grupo focal e desenhos temáticos) e a técnica de entrevista com roteiro semiestruturado. A pesquisa nos permitiu conhecer a dinâmica vida cotidiana entre os Calon do Vale do Mamanguape, as rotas e fluxos de pessoas e objetos que compõem esta dinâmica. Sobretudo a pesquisa voltou-se para a concepção/vivência da infância entre os ciganos, ou seja, como são concebidos os processos sociais de crescer e se reconhecer Calon, em oposição ao mundo não cigano.

Sumário
Introdução
1. Conhecendo os ciganos no Vale do Mamanguape: ciganos e suas transversalidades, traçando o campo de pesquisa.
2.    Os fluxos, as redes e rotas: diásporas no presente.
3.    A infância entre os Calon de Mamanguape: análise dos ciclos de vida.
4. Crescendo e se (re)conhecendo como ciganos(as): os processos de socialização das crianças ciganas.
Conclusão
Referencias
Anexos

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Ciganos


Participei da banca examinadora da dissertação de mestrado de Edilma Monteiro, aluna do Programa de Pós-Graduação em Antropologia – UFPB. O trabalho procura estudar a construção da identidade étnica entre crianças ciganas na cidade de Mamanguape – PB. O trabalho foi orientado pela professora Dra. Patrícia Goldfarb e contou também com a presença da professora Dra. Kelly Oliveira (UFPB).

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

XIII Semana de Antropologia da UFRN


XIII Semana de Antropologia da UFRN

02 a 5 de março de 2015



 
GT 05 – Culturas populares: tradições em movimento

Propõe-se congregar pesquisas etnográficas sobre diferentes formas de manifestações das culturas populares e tradicionais na sociedade contemporânea, em especial as manifestações religiosas e formas de expressões artísticas, abordando experiências sociais e estéticas (celebrações, festas, danças, performances) em conexão com contextos sociais de dinâmicas, fluxos e movimentos.

TRABALHOS SELECIONADOS: 

A Mouridiyya senegalesa e o Magal de Touba no Brasil. Uma confradia islâmica no espaço transnacional - Oriana Concha Diaz - PPGAS/UFRN;
 
Os usos políticos da festa: religião e política festejam o Sagrado Coração de Jesus - Francisco Jomário Pereira - PGCS/UFCG;  
 
Trajetos na busca de um santo em Portugal: olhares a São Sebastião - Hélcio Pacheco de Medeiros – UFRN;  
 
Tradição ou turismo? Festejando os mártires de Cunhaú - Lerbentes Neres Lima e Irene de Araújo van den Berg – UERN;  
 
Cantos Vissungos: Ressonâncias, deslocamentos e precariedade - Oswaldo Giovannini Junior – UFPB;
 
Sobre o Folclore, a Cultura Popular e as Cambindas: espaços de disputas e representatividade performática. Érika Catarina de Melo Alves - PPGA/UFPB;
 
Retroalimentando a Tradição da Rabeca Encantada: encontro de Cavalo Marinho na Casa da Rabeca do Brasil, Cidade Tabajara, Olinda, PE - Elaine de Paula - UFRPE; 
 
Os índios do carnaval natalense: sobrevivência da cultura popular - Valdemiro Severiano Filho - PGCS/UFRN;
 

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Iemanjá

Dia dois de fevereiro
Dia de festa no mar
Eu quero ser o primeiro
A saudar Iemanjá

(trecho da música de Dorival Caymmi)