terça-feira, 14 de abril de 2015

Eduardo Galeano (1940 – 2015)


Era uma manhã cinzenta e de frio bravo.
Um amanhecer no fim de junho de 1973, cheguei a Montevidéu no vapor que atravessa o rio vindo de Buenos Aires.
Eu estava em pé na proa. Tinha os olhos fixos na cidade que lentamente avançava na neblina.
Minha terra tinha sido atingida por duas desgraças e eu não sabia. Paco Espínola estava morto e os militares tinham dado um golpe de Estado e tinha dissolvido os partidos, os sindicatos e todo o resto.  

GALEANO, Eduardo. Dias e noites de amor e de guerra. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1978, p. 86.

Nenhum comentário:

Postar um comentário