sábado, 25 de novembro de 2017

Riacho, uma exposição etnofotográfica


Riacho


No início dos anos de 1980 estabeleci contatos com os moradores do Riacho visando realizar uma pesquisa que tinha como objetivo compreender as condições de vida e, como em um contexto tão adverso de existência social, eram construídos processo identitários. Em última instância, interessava saber o que significava ser negro, particularmente, ser negro do Riacho em um mundo branco.
Conheci a terra, as pessoas e seu cotidiano de dificuldades, mas também de alegrias. Entendi o valor que a terra possuía para aquela gente, como também o trabalho de produzir a louça e o sentido de festejar. Os sessenta dias que passei no Riacho foram ricos em conhecimentos, em um aprender no diálogo compartilhado com Joana Caboclo, Tereza Preta, Maria Dalva, Daliça, Zé Banda, Joaquim Baixo, entre outros.
Somente na última semana foi que percebi que não tinha feito nenhuma imagem fotográfica. Mais que isso, senti a necessidade de fazer o registro para a memória futura. Providenciei um filme de vinte poses para uma máquina Kodak, muito simples, sem nenhuma exigência técnica e fiz o registro de algumas cenas do cotidiano. Lembro que todos queriam ser fotografados. Foi um momento de alegria. Revendo as fotografias, penso na sua importância para a memória do grupo.
Este processo de pesquisa resultou no livro “Os negros do Riacho: estratégias de sobrevivência e identidade social”, publicado em 2009 pela Editora da UFRN.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Grupo de Estudos





Grupo de Estudos reunido para compartilhar experiências de pesquisas com o universo da Jurema do Acais, Paraíba. Apresentação da dissertação de mestrado de Luís Felipe Mont'mor (UFPB).

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Festa do Mestre Zé Pelintra na casa de Pai Erivan do Planalto

 Pai Erivan (Planalto, Natal, RN)
 





 Pai Alex de Ogum (Pajuçara, Natal, RN)